Conheças as principais fontes de financiamento de capital de giro de longo prazo

Conheças as principais fontes de financiamento de capital de giro de longo prazo
Gostou então Vote!

Conheças as principais fontes de financiamento de capital de giro de longo prazo

O financiamento de capital de giro de longo prazo se trata de uma dívida criada por mais de um ano. Esse tipo de transição financeira acontece por meio de um banco ou outra instituição financeira. Geralmente esses financiamentos para capital de giro servem como uma maneira de alavancar a situação financeira da empresa.

Esse tipo de financiamento costuma ser caracterizado pela duração de parcelamento entre cinco e vinte anos. O prazo depende muito de como o crédito solicitado será utilizado. A taxa de juros costuma ser menor do que os financiamentos de longo prazo, embora seja exigido da empresa algum tipo de garantia.

O capital de giro está ligado com as atividades da empresa, de maneira a gerar lucros e pagar despesas. Se trata de um processo que se repete continuamente, criando o giro de capital. Porém, há alguns momentos de crise nas empresas que pode não ter capital suficiente para suprir esse giro.

Em momentos de dificuldade ou mesmo para quem quer se prevenir, o financiamento de capital de giro pode ser uma ótima saída. Aqui você irá conhecer as melhores fontes para que você consiga esse financiamento de capital de giro de longo prazo para a sua empresa. Confira:

Fontes de financiamento de capital de giro de longo prazo

1. Empréstimos

Uma das opções para financiamento de capital de giro de longo prazo se trata dos empréstimos. Esses empréstimos a longo prazo são dívidas que duram por mais de um ano. São obtidos junto ao banco ou outro tipo de instituição financeira.

Eles podem ser conseguidos como um empréstimo a prazo, mas também por meio das vendas de títulos negociáveis. Esses títulos são vendidos a um número de credores, sendo acompanhado por um banco de investimento. Tais bancos se tratam daquelas instituições que auxiliam em colocações privadas, além de assumirem um papel relevante em ofertas públicas.

Esses empréstimos a longo prazo são extremamente desejáveis quando se tem em mente em alavancar o financeiro da empresa. A estrutura do capital fica ainda mais consolidada. E, assim como dito anteriormente, os financiamentos de longo prazo, incluindo os empréstimos, tem uma duração de cinco a vinte anos.

A partir do momento em que a dívida está a um ano de ser quitada, os credores passam o empréstimo para o passivo circulante. Isso porque não é mais um empréstimo de longo prazo, e sim uma dívida que será paga em um curto prazo. No entanto, o empreendedor deve ficar atento para não aumentar a sua taxa de inadimplência, de maneira que os juros não fiquem elevados.

As fontes de financiamento para empresas como o empréstimo costumam ter várias cláusulas nos contratos que são padronizadas. Geralmente elas deixam claro alguns critérios sobre os registros e relatórios contábeis que sejam satisfatórios. Além disso, falam a respeito de impostos e de uma manutenção geral do negócio através da empresa tomadora.

As cláusulas contidas no contrato visam a segurança tanto do banco quanto da empresa que está solicitando o empréstimo. Desta maneira, caso você consiga fazer uma boa gestão do dinheiro, permanecerá em uma situação financeira satisfatória e não haverá problemas.

2. Debêntures

As debêntures tratam-se de títulos de dívida. A venda desses títulos permite que a empresa obtenha um financiamento de capital de giro, diferente de muitas outras linhas de crédito. Os fundos especiais, por exemplos, exigem que o empreendedor apresente um projeto detalhado sobre como será utilizado o capital.

Esse tipo de financiamento permite que a empresa possua uma flexibilidade maior em relação aos seus recursos. Além disso, ao vender os títulos, permite que o seu comprador receba juros semestrais. Essa linha de crédito se diferencia das ações devido ao prazo e valor de resgate. Também é uma maneira de aplicar capital sem um plano determinado previamente.

3. Ações

As ações se assemelham muito com as debêntures. Elas são títulos negociáveis que representam uma parcela menor do capital social da sua empresa (ou seja, o capital social é dividido em ações).

A grande vantagem das ações se trata do fato de que a parcela de lucro é dividida entre os acionistas. Além disso, pode ocorrer de uma distribuição grátis de novas ações aos acionistas, visto que o capital aumenta ou pode ocorrer transformação das reservas. Em casos de emissões de novas ações, os acionistas têm preferência na aquisição com um preço menor.

Há dois tipos de espécies de ações, sendo elas: ordinárias (permitem os acionistas terem participações na gestão da empresa) e preferenciais (tem preferencia quando há o recebimento de lucros).

Acontecem de duas formas, sendo elas: normativa (certificado com o nome do acionista) e escritural (controle feito por conta de depósito que esteja no nome do acionista, em uma corretora de valores).



Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.